Arte da Semana

Bom dia amigos!

Tudo bem com vocês?

Já faz algum tempo que eu não coloco meus trabalhos do curso aqui no blog. Então, eu quero mostrar de uma única vez um pouco do que eu tenho feito. Segue ai:

1) Dentro das Lentes

Nesta atividade, a gente tinha que tirar uma foto em preto e branco e a partir dela criar uma colagem representando os nossos sentimentos em relação à fotografia. Neste caso, eu me interessei pelas fotografias de pessoas falecidas (este é o meu marido e ele está vivinho da Silva), não pela questão sombria, mas pelo ideal. No século 19 as fotografias dos corpos inertes eram tiradas para que os parentes vivos pudessem guardar alguma recordação daqueles que faleceram. E claro, como estes estavam  mortos, a foto saia mais nítida e perfeita.

Imagem principal

Imagem principal

Colagem

Colagem

 

Foto aproximada da colagem

Foto aproximada da colagem

2) Dentro do Espaço

Na semana retrasada fizemos um exercício sobre exposições à céu aberto. Neste caso, deveríamos inserir elementos artísticos integrados à natureza. Eu optei por fazer uma arranjo de flores com as plantinhas que tenho no meu quintal. Veja só como ficou:

Picture 1, 4 Exercise Picture 2, 4 Exercise Picture 4, 4 Exercise

3) Cabine de Curiosidades

Relembrando as antigas exposições em que esculturas, pinturas, animais empalhados, vitrais, ferramentas, maquinários e belezas naturais conviviam harmonicamente no mesmo espaço, assim como acontece hoje na Oficina Brennand ( www.brennand.com.br/‎) e no Instituto Ricardo Brennand ( http://www.institutoricardobrennand.org.br/index2.html‎) na cidade de Recife – PE a atividade era desenvolver uma cabine de curiosidades em que diferentes objetos e coleções representassem um pouco da vida -aspectos secretos ou particulares, do autor da obra, no caso eu.

Neste trabalho o meu objetivo principal foi desenvolver o sentimento feminino, tratando a respeito do amor e do meu relacionamento particular com a Virgem Maria. Segue o resultado:

Tampa da Caixa

Tampa da Caixa

Tampa e fundo da caixa

Tampa e fundo da caixa

Caixa Aberta

Caixa Aberta

Detalhe interno da caixa

Detalhe interno da caixa

Detalhe interno da caixa em outro ângulo

Detalhe interno da caixa em outro ângulo

É isso ai pessoal.

Beijos,

Cellinda

Arte da semana

Gente, olha só que loucura, dia 12 de junho já chegou.

Quem está namorando nem vai ler este post de hoje… então vamos mandar ver forever alones, esse post é dedicado a vocês.

BEIJO

Hoje é o dia da “arte da semana” e ela trata justamente desses conflitos de amor, viuvez e solteirice. O tema dos trabalhos s dessa semana é correspondência com a memória, e é isso que eu estou retratando nessa arte, as memórias que eu tenho da minha família, com um destaque especial para o meu pai.

Estas memórias deveriam sere apresentadas por meio de mail art – que são texto, desenhos e postais, pequenas obras de arte para serem enviadas por correio. Esse tipo de arte teve início no final do século 19 e início do século 20. Então, eu fiz a arte em formato de envelope e cartões postais.

Um pouco do porque

Para quem não sabe, meu pai foi três coisas na vida: mineiro, dedicado e persistente. O bichinho era raçudo, teimoso e talentoso por demais. Além de bom pai e marido, claro.

Ele morreu de diabetes e outras complicações, se não me falha a memória em 01 de setembro de 2011. De toda forma, sempre importa mais como você viveu, do que como você morreu, certo? E meu pai viveu!

Eu representei, nestas imagens que você vai ver abaixo, meu pai, meus avós, minha mãe, eu e minha irmã.

Desta vez, eu vou fazer ao contrário, vou colocar as fotos, e depois explico o processo de criação. Ok?

Imagem 1, frente do envelope

Imagem 1, frente do envelope

Imagem 2, costas do envelope

Imagem 2, costas do envelope

IMG_20130612_122614

IMG_20130612_122723

IMG_20130612_122826

IMG_20130612_123232

Como eu imaginei a obra?

Ao pensar sobre o que eu ia criar, a primeira coisa que me veio na cabeça foi, o que é memória? Para mim, memória é algo que diz respeito ao indivíduo, de uma maneira muito particular. Seus gostos, suas lembranças, suas afeições. Mas estas memórias só são produzidas no ambiente coletivo, no encontro com o outro. Por isto, eu resolvi representar nesta arte, não só as memórias da minha família, como também a identidade coletiva do mineiro.

Como a obra foi contruída?

Usando como pano de fundo as cidades mineiras de Betim (onde nasceu minha mãe)  e Oliveira (onde nasceu meu pai) eu reconstruí, à minha maneira, a história de Minas Gerais. Do tempo em que as casas tinham grandes quintais, com pequenas plantações e que o trem era o principal meio de transporte, de pessoas e mercadorias.

Nestes pequenos quadros estão apresentados os seguintes temas:

1 – A casa do meu avô – uma linda casa perto de um riacho, com uma plantação de milho e um roseiral representam o “Beira”. O sítio da família dos meus avós maternos, no qual eu passei um bom tempo da minha infância e do qual eu guardo muitas lembranças. A cidade representada ao fundo é Betim, a cidade em que mora a minha família.

IMG_20130612_122531

2- O trem – Um trem passa pelos trilhos trazendo em seus vagões diversas pessoas, bebês, idosos, bailarinas, cacheiros viajantes – homens e mulheres que deixaram suas casas em busca de uma vida melhor em outro lugar. Vale a pena dedicar alguns segundos ao céu, que representa uma bonita tarde em Minas.

IMG_20130612_122236

3- Pai encotra mãe 1 – No centro, há uma árvore e um sol e também letras E&S, representando o meu pai e a minha mãe – Elizete & Sérgio. Observe como a grama e o céu se fundem com os outros cenários.

4- A tempestade – O quadro a tempestade não tem elementos interconectantes com as outras cenas, pois representa uma grande mudança. O meu nascimento. “Yo”- em espanhol, significa eu, o ser que está dentro da barriga da mãe.

IMG_20130612_143042

5 – A praia – Quando éramos crianças, eu (M – Marcelle) e minha irmã (T – Tassia) gostávamos muito da praia. Eu tenho muitas lembranças destes momentos de diversão (nas praias de Castelhanos -ES e Porto Seguro-BA).

O cartão postal 1Pai encontra mãe 2 representa o meu pai e a minha mãe, dois seres tão diferentes que se unem. No centro do quadro, estão meus avós, representados como deuses que tudo vêem e que abençoam o amor do novo casal. A árvore representa a vida e a família, que crescerá forte e imaginativa.

Na parte posterior do cartão há uma mensagem escondida na colagem. É um trecho da letra de uma música famosa – Sina, do cantor brasileiro Djavan. Para quem não conhece, segue a dica: https://www.youtube.com/watch?v=_sRYwj3WTDc

O segundo cartão postal – Somente 3 representa a morte de meu pai. Longe de ter uma apelo à tristesa, o cartão representa a solidão, a confusão e a dor do vazio, mas também a preciosidade e a lembrança de quem se foi. Eu deixo uma mensagem: é preciso dizer adeus e seguir em frente – mesmo sem jamais esquecer.

IMG_20130612_122857

Parte interna Seguindo em Frente – três flores cercadas por palavras fora de ordem e de um vento que as empurra para frente. Há também cores, formas e palavras confusas lembrando-as do passado.

IMG_20130612_122551 (1)

Materiais:

Papel de desenho

Caneta Hidrocor

Imagens Retiradas de Folhetos Turísticos e Revistas

Cola em bastão para fotografia

Tesoura sem ponta

Adesivo

Papel Machê

Técnica:

Colagem sobre desenho

Espero que vocês gostem!

Cellinda

Obra de arte da semana

Bom dia queridos,

Estou meio ausente, porque o meu “Sonho Americano” está acabando e eu ainda tenho muita coisa pra ver. Tem muitas fotos no cel de Flavito (meu marido) para poder compartilhar com vocês =).

E tem o curso de artes também. Quem me dera que eu só tivesse que desenhar e pintar, não mesmo, toda semana, além da atividade artística, tem aula, prova e redação, é mole? Mas eu gosto.

Essa semana, o tema foi “Fantasia e Você” e eu optei por fazer uma obra sobre NYC e o meu sonho. O nome da obra é óbvio e antes que vocês vejam a obra e os seus detalhes, eu vou contar algumas coisinhas para vocês.

Ny Dream/ Ou Meu (NY) Sonho

Como ele foi feito? Que materiais eu eu usei e porque?

O trabalho se baseia nas tendências artísticas do período entre 1916 e 1940 ( I e II Guerras Mundiais) sob influência do dadaísmo e do surrealismo. Trabalhos ligados ao absurdo, ao fantasioso e ao insano.

Esta obra foi feita com base em papel de desenho, desses que você encontra em papelarias, tamanho 34,3x 27,9 cm. A técnica usada foi a colagem – que consisite basicamente em sobrepor imagens retiradas de revistas, livros, folhetos e etc, de forma a criar uma arte única. No caso, eu usei folhetos turísticos que eu recolhi ao longo das minhas andanças por Nova Iorque. Além disso, eu usei canetinhas hidrocor e caneta esferográfica.

Porque eu escolhi estes materiais? Porque eu não tenho muito material de trabalho à mão e além disso, eu queria representar um pouco do que eu estou vendo em NY. As palavras escritas no texto foram tiradas de um site com as 5.000 palavras mais comuns da língua inglesa (http://www.englishclub.com/vocabulary/common-words-5000.htm), escolhidas semi-randomicamente de acordo com a sua importância sentimental.

Quais as ideias que sustentam o meu trabaho? Qual a estória por traz? O que ela significa?

Além de fazer uma representação da vida absurda e vibrante da vida em NY, nesta obra, eu também homenageei alguns artistas surrealistas importantes como Salvador Dalí, Henri Rousseau e Hannah Hoch. Se quiser saber mais, google it.

A personagem central da obra é a personagem japonesa, descontruída (ou seja, cortada em vários pedaços) de autoria de  Stephen Bennett, usada nos selos da ONU.

Ao seu redor, um mundo fantástico se revela, mulher de bigode chamada Daquí (representação feminina de Salvador Dalí), Tiranossauro Rex (retirado de folheto sobre Field Station Dinosaurs) imagens africanas e textos positivos em uma ordem desequilibrada (retidados do folheto do Rei Leão – o mais famoso musical da Broadway).Um barco e a Estátua da Liberdade sangrando (adaptados de um folheto comercial sobre o táxi marítico – The Beast) mostrando a tristeza e a palidez deste monumento tão fake (construído por franceses) e pouco representativo (a população de NYC não queria a estátua, que ficou 10 anos guardada em um porão) que todos gostam de ir ver.

Uma mulher sem a pele do corpo, com seios, batom, sobrancelhas laranjadas e cabelo verde e vermelho – mostrando um pouco da pureza, desnudada e ácida, de NY e também a rebeldia da juventude (retiradas da Exposição o Corpo, sobre o corpo humano), um baú e um navio pirata (da exposição sobre Navios da Discovery), a Bola e uma imagem da Times Square representando a Broadway e vários elementos da exposição do Brooklyn Museum.

Porque eu criei a obra desta maneira? O que eu espero que vocês sintam com esta obra?

Eu gosto de cores vibrantes e coisas que fazem pouco sentido. Também me divirto com trocadilhos e exageros. Ao mesmo tempo em que quero que as pessoas se choquem e se enfureçam, quero que elas se emocionem e riam. Eu sou assim, dual. Nessa obra, eu quis representar as minhas impressões sobre NYC e também revelar um pouco do que sou e o que eu anseio. Mas não vou ficar exlicando cada coisa, porque quero que o “leitor” da obra também crie os seus prórios questionamentos e tenha os seus próprios sentimentos em  relação a tudo.

Acho que é isso pessoal, segue a obra:

Ny Dream

WP_001733 (1)

WP_001734 WP_001735 WP_001737 WP_001739

E ai gostaram da minha obra de arte? Que tal vocês tentarem fazer as suas para a gente compartilhar aqui no blog?

Beijos,

Cellinda

 

 

Caminhoneiro fica com uma metade do rosto muito mais envelhecida que a outra

Bom dia amores,

Como dizia Pedro Bial, use filtro solar =). É sério, muito sério. Veja só o que aconteceu com este senhor:

sol-homem-metade-rosto-envelhecida

Está aí a prova viva dos danos do sol à saúde.

A foto é de um homem não identificado, de 69 anos, que passou 28 anos como caminhoneiro e, portanto, sendo atingido por raios solares na parte esquerda da face através da janela enquanto dirigia. A diferença entre os dois lados do rosto dele é impressionante: na segunda metade, ele parece muito mais velho, o que mostra o efeito dramático e prematuro de envelhecimento que sol pode ter sobre a pele.

Cientistas da Universidade Northwestern, em Chicago, estudaram os prejuízos ao rosto do caminhoneiro. A condição – conhecida como dermatoheliosis unilateral ou fotoenvelhecimento – é causada por raios solares UVA e resulta em espessamento e enrugamento da pele.

Responsáveis ​​pelo efeito de bronzeamento causados pela coloração de pigmentos, os raios UVA são a forma mais comum de raios de luz, e aparecem também em câmaras de bronzeamento, que produzem doses 12 vezes mais forte do que a do sol. Ao contrário dos raios UVB, mais comumente associados a câncer de pele e queimaduras solares, os raios UVA podem penetrar o vidro, como na janela do caminhoneiro, e estão presentes até mesmo em dias nublados.

Embora se acreditasse anteriormente que a luz UVA fosse relativamente mais segura em comparação à UVB – a exemplo de vários filtros solares que bloqueavam apenas os raios UVB -, a investigação recente do estudo universitário têm provado que o câncer de pele pode ser causado por ambos os tipos. Os cientistas Jennifer R.S. Gordon e Joaquin C. Brieva, da Universidade Northwestern, disseram que, devido aos danos extremos do caminhoneiro, ele precisaria de um acompanhamento regular para não ficar com câncer de pele.

A pesquisa destaca ainda o perigo das camas de bronzeamento e alerta os banhistas para o perigo da exposição solar sem proteção.

Tá vendo,e você ai, passou o domingo inteiro tomando sol na laje sem proteção né.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/caminhoneiro-se-expoe-ao-sol-por-28-anos-fica-com-uma-metade-do-rosto-muito-mais-envelhecida-que-outra-5103862.html#ixzz2TGyBFoAa

Beijos,

Cellinda

Decote, simples assim.

Bom dia meninas e meninos.

Hoje, quarta-feira de sol, para registrar, faltam dois dias para a sexta. E, bem, todo mundo já está pensando no que vestir na balada do FDS. Certo? Vem ai uma mãozinha para as meninas e um agrado visual para os rapazes.

Alguns exemplos de decotes

Alguns exemplos de decotes

Dia do Decote

Decote (do francês décolletage ou décolleté) é o nome dado ao corpete de blusa ou vestido recortado distante do pescoço. O decote é um componente tradicional de vestidos toalete e vestidos de baile. A IFFA (International Federation of Associations of Anatomists), associação que dá nomes as partes do corpo, chama a região exposta pelo decote de “sulco intermamário ou fissura intermamária”.

Na África do Sul o dia 4 de Abril é o dia nacional dos decotes avantajados. O decote expressivo mostra os seios de forma semelhante à fenda formada entre as nádegas, o que pode resultar na atração masculina. Continue reading

6 rituais de beleza que não funcionam

Bom dia meus fofos,

Quinta-feira radiante e, eu já posso imaginar o que vocês fizeram hoje.

Todo mundo levantou cedinho, tomou aquele banho gostoso, lavou o cabelo e deu uma depilada nos pelinhos. Depois passou o creme anti-acne e foi tomar café. Quando terminaram o café, como meninos comportados que são, foram lá e escovaram os dentinhos e depois passaram o enxaguante bucal sabor 100 álcool.  Antes da maquilagem, as mulheres passaram o protetor solar com antiidade, para ficarem lindas por mais tempo e depois, quase na hora de sair, tiraram as cutículas e passaram o esmalte, para se sentirem deusas.

banho-1

E se eu dissesse a vocês que o que vocês fizeram foi inútil e que, ao invés de ajudá-los a se cuidarem, pelo contrário, vocês estão se prejudicando? Não seria terrível? Pois é a mais pura verdade.

Abaixo, vejam os seis cuidados diários que não funcionam.  Continue reading