Infográficos – O AMOR

Bom dia queridos!

Esta sexta está intensa.

Vamos aproveitar para falar sobre o tema mais discutido do mundo – o AMOR. Não espere de mim comentários sobre o que é o amor, porque não sei, muito menos o que são as consequências maléficas deste sentimento.

Como diria o Cordel do Fogo Encantado “O Amor é Filme”. E isto para mim já basta.

Aqui em baixo, você consegue ter uma noção geral de como a filosofia, por exemplo entende o que é o amor.

Amores Filosóficos

Amores Filosóficos

As ciências naturais também tem a sua própria versão do amor, através dos efeitos químicos provocados por este “sentimento”.

A Fisiologia do Amor

A Fisiologia do Amor

E para você leitor, como funciona o seu raciocínio lógico sobre o amor?

Se é que na verdade, o amor pode ser entendido pela lógica. Pode?

Abraço para todos!

Cellinda

Advertisements

5 thoughts on “Infográficos – O AMOR

  1. Legal o post, Marcelle!! É interessante que somente somando as várias concepções de amor é que chegamos próximos do que é o amor, mas pra saber o que é mesmo, tem que sentir.

    Citando Luís de Camões:

    “Amor é fogo que arde sem se ver,
    é ferida que dói, e não se sente;
    é um contentamento descontente,
    é dor que desatina sem doer.

    É um não querer mais que bem querer;
    é um andar solitário entre a gente;
    é nunca contentar-se de contente;
    é um cuidar que ganha em se perder.

    É querer estar preso por vontade;
    é servir a quem vence, o vencedor;
    é ter com quem nos mata, lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    nos corações humanos amizade,
    se tão contrário a si é o mesmo Amor?”

  2. Adorei, amor!!! Ainda num decidi qual dos amores filosóficos prefiro, mas com certeza amor é quando não dá pra explicar, você até tenta, mas num sabe dizer exatamente o que é, de onde veio, o que faz… Enfim, ” o amor é fogo, só não sabemos se vem para aquecer os corpos ou incendiar a casa!” rs…
    bjos.

    • Ai amiga, só você mesmo viu!! Pois é, a gente tenta explicar este tal de Senhor Amor, mas ele não é mesmo explicável.

Comments are closed.